Arquivos do Blog

bitPLAY 06 – Braid – Filosofando com Braid

bitPLAY 06 - Braid

Que comece o jogo! Está começando mais um bitPLAY aqui no bitSTART!

Hoje o Matheus dos Santos entra no lindo e curioso mundo de Braid, o clássico dos clássicos dos jogos indie. Faça uma viajem pela filosofia do jogo, uma verdadeira auto-ajuda para a sua vida. Veja como um mundo de aquarela pode ser tão atraente e conheça várias referências prensentes no jogo. Entenda um pouco como o jogo é e como ele funciona. E se pudéssemos voltar no tempo? Poderíamos consertar nosos erros e mesmo assim manter o aprendizado? O que o Barney está fazendo ali? Goombas!?

 

Veja Também:

 

Conheça também o grupo do bitSTART no Steam! Venha se juntar a nós e jogar com agente.

Não esqueça de curtir nossa fanpage do Facebook, seguir nosso twitter @bitSTART, se inscrever no nosso canal do Youtube, dar like no vídeo e divulgar o bitSTART!

Aguardamos o seu comentário! Comente direto no post, no vídeo no Youtube ou envie um email para nós pelo nosso formulário ou para contato@bitstart.com.br.

 

Anúncios

bitPLAY 04 – Deadlight – “Walking Limbo Complex”

bitPLAY04a

Que comece o jogo! Está começando mais um bitPLAY aqui no bitSTART!

Hoje o Matheus dos Santos vai até um mundo devastado por um apocalipse zumbi no jogo Deadlight. No quarto bitPLAY do bitSTART veja o gameplay desse jogo que é algo como uma mistura de Shadow Complex do Xbox 360 com Limbo no mundo de Walking Dead.

Veja como funciona a jogabilidade do jogo enquanto viaja a bonitos cenários 3D de uma cidade destruída. Quais são os problemas de só saber andar pra trás e pra frente? Quais as consequências para se salvar um amigo dos zumbis? Não deixe qualquer um pilotar seu helicóptero. Corra dos “zumbis with lasers”!

 

Veja Também:

 

Conheça também o grupo do bitSTART no Steam! Venha se juntar a nós e jogar com agente.

Não esqueça de curtir nossa fanpage do Facebook, seguir nosso twitter @bitSTART, se inscrever no nosso canal do Youtube, dar like no vídeo e divulgar o bitSTART!

Aguardamos o seu comentário! Comente direto no post, no vídeo no Youtube ou envie um email para nós pelo nosso formulário ou para contato@bitstart.com.br.

 

bitNEWS – Journey

Journey é o próximo lançamento da desenvolvedora Thatgamecompany exclusivamente para o PlayStation 3 e será distribuído pela PSN.

No game, o jogador encarnará um personagem vestido com uma espécie de capa que fica andando por um deserto muito vasto, enquanto tenta chegar a uma montanha que fica ao longe. Pelo caminho é possível encontrar outros jogadores(jogando online) que estam fazendo essa mesma jornada. O estranho é que os jogadores podem se ajudar, mas não existe possibilidade de comunicação por texto nem fala e nem mesmo os nomes dos jogadores são mostrados. O único som que os jogadores podem utilizar é um grito sem palavras para chamar seus companheiros e cada personagem terá um símbolo de identificação para que possam reconhecer os personagens já encontrados. Não existem mapas nem instruções, somente a enorme montanha no horizonte e a vontade de chegar lá. De acordo com o designer Jenova(quase saído de FFVII) Chen, “o jogo trata sobre pessoas desconhecidas que se encontram online. Eles não sabem quem são nem mesmo suas respectivas idades. Tudo que eles sabem é que são outros seres humanos.”

Cruzando pelo deserto também é possível encontrar pedaços de tecido que podem ser coletados e possibilitam, ao jogador, voar por curtos períodos de tempo. O universo do jogo apresenta ainda, objetos mágicos e ruínas, a empresa ainda não explicou suas utilidades. Locais escondidos mostrarão ‘dicas’ para a história desse mundo.

Thatgamecompany, é o estúdio responsável pelos jogos Flow e Flower, e é uma das desenvolvedoras Indie mais promissoras e respeitadas da indústria. E quem conhece o trabalho da companhia pode esperar por algo no mínimo diferente e divertido.

O jogo não tem data de lançamento oficial no momento, mas algumas fontes espalhadas pela rede dizem que deverá ser lançado em Março.

bitREVIEW – To The Moon

PC

O que falar sobre To The Moon? Acabei de terminar o jogo e pensei: É uma das histórias mais bonitas que já vi na minha vida! Eu tenho que divulgar esse jogo, as pessoas precisam conhecer a história de Johnny e River. Precisam passar por tudo que senti quando joguei esse jogo, as emoções, as tristezas e as alegrias.

To The Moon é um jogo indie no estilo RPG/Adventure, é um jogo independente feito pelo Kan Gao com a Freebird Games. O cenário indie dos games vem crescendo cada vez mais ultimamente, e as pessoas vêm dando o devido valor a esse diferente cenário. Pois nos jogos indie, podemos ver idéias novas e conceitos diferentes do que estamos acostumados no mercado das grandes empresas, aonde o objetivo principal é gerar o lucro no final, e assim acabam mantendo uma fórmula mais padrão, para não correr riscos.

Toda a genialidade de To The Moon está na sua  história muito bem elaborada e construída, feita de forma a não deixar furos de roteiro. O jogo que possui um visual que lembra os gráficos da era 16 bits, utiliza o seu bom enredo mesclado com elementos de jogabilidade para prender o jogador até o final da trama.

História: A idéia do jogo se baseia no seguinte, uma empresa chamada Sigmund Corp. possui uma tecnologia de entrar na mente das pessoas através dos seus doutores. Eles atendem a pessoas que estão à beira da morte para realizarem um último desejo delas. Com isso os doutores da empresa através de uma máquina entram nas memórias daquela pessoa e implantam em algum ponto de sua vida o desejo de realizar aquele sonho, o que resulta numa reação em cadeia na memória da pessoa, que lhe faz acreditar que realizou o seu desejo e de que viveu tudo aquilo.

Na nossa história, Johnny, um homem de idade que está no fim de seus dias, já solitário, pois sua esposa morreu há dois anos, contata a empresa para que eles possam realizar o seu desejo, o desejo de ir para a lua. Então a Dra. Rosalene e o Dr. Watts da Sigmund vão até a casa do Johnny em uma colina, ao lado de um farol antigo, para assim realizarem o seu desejo. Eles então utilizam a máquina para entrarem na mente de Johnny, e assim vão explorando suas memórias, desde um idoso até a sua infância, para então descobrir uma motivação para que possam usar para despertar o desejo dele ir à lua, e assim realizarem seu trabalho.

Só por isso o enredo já é muito interessante, mais o que é mais comovente, é a vida de Johnny e sua esposa River, uma história de amor e tristezas. É muito emocionante ver como tudo foi acontecendo na vida deles, os acertos e os erros. E a conseqüência de pequenas coisas que podem influenciar lá na frente. São coisas da vida que você olha e se emociona com a história dos dois. Não dá para dizer a quão grandiosa a história é sem dar alguns spoilers, por isso é melhor jogar e vê o que estou falando para não estragar a experiência.

Jogabilidade: A jogabilidade não é o foco do jogo, pois o jogo sendo um jogo indie possui seus defeitos e coisas que poderiam ser mais bem trabalhadas e integradas. Ao longo do jogo conforme a Dra. Rosalene e o Dr. Watts vão explorando as memórias de Johnny, você vai se utilizando de mecânicas de exploração que lembram RPG’s do Super Nintendo, assim como elementos de jogos de Adventure, como achar itens pelo cenário e conversar com as pessoas.

Para ir viajando para as memórias mais antigas de Johnny, você deve buscar nos cenários itens, ou mementos no jogo(como por exemplo um ornitorrinco de pelúcia!), que trazem lembranças para o Johnny. Ou seja, aquele memento que também estava presente na lembrança mais antiga para a qual você quer ir, acaba funcionando como uma âncora para te levar até a memória anterior. Resultando num simples puzzle, um quebra-cabeça de virar os pedaços de uma figura para assim viajar mais ao passado.

O jogo é focado nos diálogos e na interação com os itens e as lembranças, para assim ir viajando pelos cenários que são diferentes lembranças da vida de Johnny, com diálogos muito bem construídos e até engraçados algumas vezes. O jogo também traz várias referências ao mundo gamer e nerd, algo bem divertido.

Som: A trilha sonora do jogo também é algo muito importante no jogo. A trilha sonora foi produzida pelo próprio criador do jogo, o Kan Gao, talvez por isso a trilha sonora seja tão coerente as situações da narrativa que ocorrem. Com passagens de piano muito límpidas e cheias de emoção, a trilha do jogo é muito bonita.

E o mais interessante é ver como ele criou músicas que fazem parte da própria história do jogo, como a própria “For River (To The Moon)” que é criada e tocada na história pelo próprio Johnny.

Gráficos: O gráfico do jogo é algo simples, mais é relevado por ser um jogo indie. O gráfico como citado remete aos RPG’s japoneses da era 16 bits, com bastante inspiração também em animes. Mais isso tudo acaba contribuindo um pouco para a nostalgia de relembrar jogos antigos.

Apesar das limitações gráficas, o jogo consegue te passar a mensagem que ele quer, e você consegue entender muito bem as ações dos personagens e até mesmo suas emoções.

Prós

  • Enredo espetacular
  • Personagens muito interessantes que fazem com que você se importe com eles
  • Trilha sonora envolvente

Contras:

  • Jogabilidade simples com mecânicas confusas por vezes
  • Gráficos simples

Conclusão:

O jogo me surpreendeu muito. É muito bom achar “perdido” por aí um jogo como To The Moon. Jogos com uma narrativa tão intensa como To The Moon, são aqueles jogos que fazem você ter orgulho de ser gamer e por poder experienciar tais coisas. Só comprova o patamar de arte que os jogos de hoje em dia vêm alcançando. O enredo muito bem amarrado e construído é de causar inveja a qualquer diretor de Hollywood ou a muitos escritores.

O jogo me forneceu uma experiência bem diferente com jogos, algo que poucos jogos conseguem. Consegue nos envolver na história a ponto de você se preocupar e torcer pelos personagens do jogo.  Mais há de se saber que o jogo pode não ser para todos, existem gostos e gostos, por isso pode ser que você não se sinta atraído pela temática proposta pelo jogo. O jogo vale muito à pena, é um jogo que merece ser jogado por todos, e por isso estou aqui fazendo a minha parte e divulgando. Em breve teremos mais surpresas sobre To The Moon aqui no bitSTART, quem sabe não rola uma cópia do jogo pra você?

Compre: Jogo completo – To The Moon

Compre: Trilha Sonora do Jogo

Nota: 9,0

bitGAME – Abobo’s Big Adventure

Olá pessoal!

O bitGAME de hoje é um dos jogos independentes mais aguardados ultimamente. O jogo que pode ser jogado todo online pela página do jogo, é um prato cheio de nostalgia referente a jogos antigos do Nintendinho. O personagem principal Abobo está em busca do seu filho que foi sequestrado e para isso deve ir aos mais diferentes lugares e enfrentar todo o tipo de inimigo para salvar seu filho. A cada estágio que você passa no jogo, você vai a diferentes mundos conhecidos dos jogos de NES, e de acordo com o estágio em que você está a jogabilidade do jogo muda e fica de acordo com o jogo clássico daquele estágio. Os lugares que você passa possuem referências a Double Dragon, Mario, Megaman, Zelda, Contra e muio mais.

O jogo é muito divertido de se jogar, o enredo é muito bem humorado e a nostalgia de revisitar os jogos clássicos do Nintendinho é única.

Para jogar o jogo clique no link abaixo.

JOGUE O JOGO AGORA!