Arquivos do Blog

bitREVIEW – Rise of Nightmares

Xbox360 – KINECT

Rise of Nightmares oferece uma experiência de Horror de arrepiar a espinha, que usa o inovador ‘controle’ Kinect para o Xbox 360, para dar aos jogadores a mais tenebrosa sensação de terror. Usando todo seu corpo, os jogadores experienciarão o medo e a tensão como nunca antes vistos nesse exlusivo. Bom,  isso foi o que a desenvolvedora disse(mais ou menos) sobre o jogo. Como é na realidade? Continue lendo.

Desde o lançamento do periférico Kinect para o console da Microsoft, muitos games da classe ou raça Hardcore vêm reclamando que os jogos desse estilo(Hardcore) foram deixados de lado em favor dos ‘Malignos’ jogos Casuais. Pensando nisso a SEGA anúnciou seu mais novo jogo de Terror feito exclusivamente para o periférico, Rise of Nightmares.

História: Em uma viagem pela Romênia, Josh e sua esposa Kate, estão em um trem com vários outros turistas. Durante a viagem, Kate está para contar algo a Josh, quando descobre que ele estava escondendo uma garrafa de bebiba(aparentemente ele tinha problemas de bebida).

Irritada, ela sai da cabine em direção ao vagão da comida. Josh encontra um Romeno que fala sobre sua esposa ter deixado uma carta para ele na cabine. Depois de ler a carta e se sentindo culpado, Josh decide ir até o vagão da comida para se desculpar. No caminho, ele passa pelos outros passageiros, como uma estudante, duas bailarina , dois generais Romenos, dentre outros. Antes de chegar ao vagão Josh é abordado pelo coletor de Tickets e deixa o seu ticket cair dentro de uma das cabines, onde uma Cartomante lhe fala sobre problemas que estão por vir.

Ao chegar no vagão da comida, Josh o encontra todo cheio de sangue e sua esposa sendo levada por um grande “homem” com um mecanismo estranho no rosto. Um dos generais tenta parar o “homem”, mas é dividido ao meio em um só golpe. Quando Josh tenta segui-lo, o trem descarrilha. Ao acordar, Josh está no trem destruido na beira de um rio violento. Ele e outros passageiros saem dos vagões e seguem para uma caverna onde eles decidem explorar o local enquanto Josh procura por sua esposa.

Jogabilidade: Todo controlado pelo Kinect, o jogo tem seus comandos mais usados e alguns que variam em momentos certos. O jogo é em primeira pessoa, para andar o jogador coloca um de seus pé para frente(para trá se quiser voltar), virando seus ombros para os lados a câmera segue o movimento, ao levantar ambos os braços o jogador entra em modo de combate onde o inimigo mais próximo fica em lock-on e você usa movimentos horizontais, verticas ou de pefuração. Algumas armas têm movimentos diferentes de ataque, e também ‘This is Sparta Kick’ quando o jogador chuta. Para explorar ambientes o jogador mantém a mão direita(ou esquerda se trocada nas opções) para frente até que uma mão apareça na tela e você selecione o item em questão.

O movimentos tem uma boa resposta ao comando do jogador. No inicio é um pouco dificil de se acostumar mas com pouco tempo já temos habilidade para seguir em frente. Eu senti falta dos movimentos de virada rápida e Sidewalk, mas não é nada que deprecie o jogo.

Som: A trilha do jogo é meio caída quanto a músicas. Na maior parte do tempo teremos uma trilha baixa com vários gemidos ou urros de monstros. Ás vezes esses barulhos indicam presença dos inimigos, mas muitas vezes só servem de ambientação.

Gráficos: Os gráficos não são o ponto alto do jogo, porém oferecem o necessários para divertir. E não perdem para nenhum outro jogo já lançado para o Kinect.


Prós:

  • Jogabilidade diferente por conta do Kinect;
  • Maioria dos movimentos são bem intuitivos;
  • Pode ser considerado o primeiro jogo Hardcore para o dispositivo, mesmo não sendo tão Hard assim;
  • Algumas situações do jogo ‘brincam’ com filmes ou jogos.

Contras:

  • Não é terror nem de longe(a não ser que você tenha medo até de respirar);
  • Poderiam ter trabalhado melhor alguns movimentos do game para que o jogador pudesse fazê-los realmente;
  • História manjada.

Conclusão: Rise of Nightmares foi um dos primeiros jogos que eu joguei para o Kinect e depois de ter jogado outros títulos, ele ainda é um dos que vale a pena conferir. Não é perfeito, mas para aqueles que possuem um Kinect e querem algo melhor do que joguinhos de esporte, esse é o jogo certo. Quem não comprou um Kinect ainda, pode esperar mais, pois esse jogo sozinho não vale sua compra. Mesmo o jogo tendo obtido notas variadas pela internet afora, eu confesso que  me diverti bastante com o jogo, mas sei que ele não é para todos os gostos. Aconselho aos interessados que aluguem ou procurem mais informações antes da compra.

Nota: 7,5

Anúncios

bitCAST 04a – Retrospectiva Gamer 2011 – Parte 1

Que comece o jogo, está começando o primeiro bitCAST do ano!

Olá galera! Hoje Matheus dos Santos, Dan, Bala, Lucas Retarda e o nosso novo membro do bitSTART, Manel, fazem uma retrospectiva gamer sobre o ano passado! Manel, além de agora ser um bitSTARTER, também é desenhista e seu trabalho pode ser conferido na sua página, a Watchazine e no seu deviant ART. Nessa primeira parte do nosso primeiro bitCAST do ano, vamos falar sobre o ano de 2011, que foi um dos anos mais importantes em questão de jogos bons lançados. Para se falar de um ano inteiro tão importante como foi 2011, um cast só não foi suficiente! Por isso o bitCAST 4 foi dividido em duas partes e a continuação desse cast você confere semana que vem aqui no site, não perca! Nesse podcast conversaremos sobre 2011 sem se preocupar com pauta, vamos comentar sobre tudo aquilo que experimentamos (ou não) de jogo  em 2011, além de comentar os principais fatos do mundo gamer.

Qual a motivação para se jogar um MMORPG? Vale mais a pena que um jogo solo? Que fim levou os jogos de terror hoje em dia? Seria Dead Space o jogo que mantém o legado dos jogos de terror? Um jogo pode virar um blockbuster só pelo nome assim como foi com Call of Duty – Modern Warfare 3? E Crysis 2? Será que gráfico é tudo em um jogo? Por que Dead Island não é tão bom quanto o seu trailer? Mortal Kombat é um jogo que se vende pelo seu passado? Afinal, The King of Fighters  XIII decepcionou ou surpreendeu? Veja como muitos jogos de luta andam revivendo e crescendo. Também veja como o mercado de jogos no Brasil anda se desenvolvendo. E venha aguardar com a gente os jogos bons de Kinect prometidos e a sofrer com lag nas partidas online nos jogos de luta. Todas essas perguntas e muito mais não será discutido nesse podcast.

Atenção! Esse podcast pode conter alguns spoilers!

 

Aguardamos o seu comentário! Comente direto no post ou envie um email para nós pelo nosso formulário ou para contato@bitstart.com.br. Os melhores comentários serão lidos no próximo bitCAST.

Não se esqueça de curtir a página do facebook do bitSTART, de seguir nosso Twitter e de divulgar o bitSTART.

 

Links comentados na leitura de emails e comentários:

Links comentados nesse cast:

 

Baixem aqui em baixo de acordo com a qualidade ou ouça direto pelo nosso player.

bitCAST-04a-2011(32) – Baixa qualidade (32kbps)

bitCAST-04a-2011(64) – Média qualidade (64kbps)

bitCAST-04a-2011(96) – Alta qualidade (96kbps)