Arquivos do Blog

bitNEWS – Journey

Journey é o próximo lançamento da desenvolvedora Thatgamecompany exclusivamente para o PlayStation 3 e será distribuído pela PSN.

No game, o jogador encarnará um personagem vestido com uma espécie de capa que fica andando por um deserto muito vasto, enquanto tenta chegar a uma montanha que fica ao longe. Pelo caminho é possível encontrar outros jogadores(jogando online) que estam fazendo essa mesma jornada. O estranho é que os jogadores podem se ajudar, mas não existe possibilidade de comunicação por texto nem fala e nem mesmo os nomes dos jogadores são mostrados. O único som que os jogadores podem utilizar é um grito sem palavras para chamar seus companheiros e cada personagem terá um símbolo de identificação para que possam reconhecer os personagens já encontrados. Não existem mapas nem instruções, somente a enorme montanha no horizonte e a vontade de chegar lá. De acordo com o designer Jenova(quase saído de FFVII) Chen, “o jogo trata sobre pessoas desconhecidas que se encontram online. Eles não sabem quem são nem mesmo suas respectivas idades. Tudo que eles sabem é que são outros seres humanos.”

Cruzando pelo deserto também é possível encontrar pedaços de tecido que podem ser coletados e possibilitam, ao jogador, voar por curtos períodos de tempo. O universo do jogo apresenta ainda, objetos mágicos e ruínas, a empresa ainda não explicou suas utilidades. Locais escondidos mostrarão ‘dicas’ para a história desse mundo.

Thatgamecompany, é o estúdio responsável pelos jogos Flow e Flower, e é uma das desenvolvedoras Indie mais promissoras e respeitadas da indústria. E quem conhece o trabalho da companhia pode esperar por algo no mínimo diferente e divertido.

O jogo não tem data de lançamento oficial no momento, mas algumas fontes espalhadas pela rede dizem que deverá ser lançado em Março.

Anúncios

bitCAST 05 – Batman

Que comece o jogo, está começando mais um bitCAST aqui no bitSTART!

Hoje  Matheus dos Santos, Dan, Lucas Retarda e Manel falam sobre a saga do Cavaleiro das Trevas nos video-games. Vamos desde lá de tráz nas suas origens “negras” nos computadores domésticos, passando pelo Nintendinho, Mega Drive, Playstation e muitos outros consoles.  Depois focaremos na série recente, a série Arkham dos jogos Arkham Asylum e Arkham City. Vamos explicar como o jogo funciona, todas as suas mecânicas e características, além de explanar toda a grande história dos jogos. E claro, daremos nosso ponto de vista sobre os jogos e comentaremos as experiências que tivemos com eles.

Como perder suas coisas dentro de “casa” pode render um jogo. Conheça o jogo do Batman “atirador” ou o “Mortal Kombat” do Batman. Aprenda como transformar um jogo totalmente só porque foi portado para outra plataforma. Porque fazem tantos jogos de adaptações e ainda não aprenderam como se faz? Porque ser um cara louco e pscicótico te faz ter tanto sucesso? Aprenda a não se meter na política com Bruce Wayne e saiba como se fazer um jogo de super-herói com a Rocksteady Studios.

Atenção! Esse podcast terá spoilers sobre Arkham City! Porém será avisado antes de se iniciar a zona de spoilers.

Aguardamos o seu comentário! Comente direto no post ou envie um email para nós pelo nosso formulário ou para contato@bitstart.com.br. Os melhores comentários serão lidos no próximo bitCAST.

Não se esqueça de curtir a página do facebook do bitSTART, de seguir nosso Twitter e de divulgar o bitSTART.

 

Parabéns ao Euller dos Santos Batista que foi o grande vencedor da promoção do Terraria do bitSTART!

 

Links comentados nesse cast:

 

Baixem aqui em baixo de acordo com a qualidade ou ouça direto pelo nosso player.

bitCAST-05-Batman(32) – Baixa qualidade (32kbps)

bitCAST-05-Batman(64) – Média qualidade (64kbps)

bitCAST-05-Batman(96) – Alta qualidade (96kbps)

 

bitREVIEW – Sonic Generations

Xbox 360/ Playstation 3/PC

Só de ouvir o nome Sonic, já vem a minha memória muitas boas lembranças, bons momentos da minha infância gamer. Momentos únicos como o simples fato de sair correndo sem se preocupar pela bonita paisagem de Green Hill Zone no Mega Drive. Coisas que com o tempo e os recentes lançamentos do porco-espinho azul mais famoso do mundo foram ficando esquecidas. Afinal os lançamentos da Sonic Team com a SEGA de jogos do Sonic nesses anos não são dignos de serem lembrados. Com exceção dos dois jogos do Sonic Adventure de Dreamcast e um suspiro em Sonic Rush do DS, não tivemos muita coisa boa. Recentemente as coisas começaram a mudar, parece que a Sonic Team está começando a ouvir os fãs e colocando as coisas no eixo, mais sem deixar de inovar e criar algo novo. Assim então veio o muito bem recebido Sonic Colors pro Wii e agora o excelente Sonic Generations.

No Sonic Generations, os produtores atendendo aos pedidos dos fãs, trouxeram de volta o clima do Sonic antigo 2D da era dourada do Mega Drive, trazendo inclusive o Sonic “gordinho” que os fãs tanto falam. Utilizando a velha mecânica de plataforma 2D e de velocidade dos jogos antigos. Mais a Sonic Team não queria deixar de lado tudo que tinha feito nos últimos anos com o “novo Sonic”, queria aproveitar o que ela tinha feito de novo e interessante também. Então por que não juntar os dois? E foi isso que aconteceu.

História: A história nunca foi o ponto forte de Sonic, já que o jogo tem uma temática simples para agradar todas as idades. E quem se importa? O legal de sonic é sair correndo por aí e saltando sobre molas! Para conseguir juntar o Sonic clássico com o Sonic novo, eles criaram uma distorção no tempo. Durante o aniversário do Sonic, enquanto festejavam mais um ano de vida do Sonic com toda a galera do Sonic (ou seja, aquele monte de bixu estranho… raposa, eqüidna, jacaré…), um monstro estranho surge do céu e  começa a puxar todo mundo para um portal. Aí então que o tempo se distorce.

Sonic então encontra o Sonic do passado (que no jogo é mudo) e juntos vão tentar salvar seus amigos e restaurar o mundo. Os amigos de Sonic ficaram paralisados como uma estátua branca em diferentes lugares que também estão brancos, que são os estágios do jogo. E para salvá-los você deve terminar o respectivo estágio com o Sonic do passado e o do presente para que o lugar volte ao normal com cores e o seu amigo seja salvo. Avançando assim pelos estágios e enfrentando o clássico vilão Dr. Eggman (ou Robotnik…).

Jogabilidade: O ponto alto do jogo. Aproveitando a questão do Sonic do passado e o do presente, utilizam de acordo com o Sonic que você está usando a jogabilidade igual ao do jogo do Sonic em questão. Quando jogando com o Sonic do passado você tem toda a jogabilidade dos Sonics 2D do Mega Drive, somente com o pulo e com a bolinha que você fica girando abaixado, que agora pode ser usado pressionando um botão, facilitando seu uso. Já com o Sonic moderno, temos a barra do dash e a sua corrida, aquele pulo que mira automaticamente nos alvos próximos, além de vários elementos modernos. E toda a jogabilidade e movimentação 3D, alternando algumas vezes para o clássico side-scroller 2D.

A sensação de velocidade do jogo é sensacional, melhor que qualquer Need for Speed que você jogue. E o jogo te proporciona isso de forma simples e divertida, com uma jogabilidade simples e eficiente. Passando por cenários clássicos de jogos antigos mais todos atualizados e refeitos, divididos em dois atos, um para o Sonic antigo e o outro para o moderno. O excelente level design do jogo está de novo presente, com cenários muito bem feitos e pensados. As boss fights são divertidas, com chefes grandes e que alternam diferentes formas para se vencer cada um.

O jogo também tem um fator replay muito bom. Pois são vários desafios para você concluir, muito conteúdo para desbloquear, como músicas, artworks e ficha de personagens. Você também conquista pontos que você pode comprar skills, que te dão alguns benefícios no jogo.

Som: A trilha sonora de Sonic sempre foi muito boa. Tanto que até pessoas que não curtem games conhecem as músicas. Nesse jogo aproveitando o fato de terem vários cenários de jogos antigos, trouxeram de volta as músicas clássicas, mais todas regravadas com uma qualidade muito boa.

Outra coisa interessante, é que quando se joga o estágio no ato do Sonic clássico, a música que toca é a clássica. Mas quando se joga o estágio com o Sonic moderno, você ouve uma versão nova da música, remixada e num estilo diferente, deixando ela mais “moderna” e agitada para toda a correria do Sonic novo.


Gráficos: O gráfico do jogo me surpreendeu. Somado ao magnífico level design do jogo, os gráficos fluem muito bem. Com cenários muito artísticos e criativos feitos com muita inspiração. São diferentes paisagens de acordo com cada estágio, desde praias, cidades, fábricas e vulcões, tudo muito colorido e vívido.

Prós:

  • Excelente Level Design
  • Ótima jogabilidade
  • Restaurou o espírito dos jogos do Sonic clássicos
  • Trilha sonora muito boa

Contras

  • História simples e meio sem noção
  • Alguns estágios clássicos ficaram de fora
  • Alguns personagens não são muito carismáticos

Conclusão:

O jogo traz de volta tudo o que gostávamos nos jogos clássicos do Sonic, sem deixar de aproveitar o que teve de bom nos jogos mais recentes. Mesclando tudo de uma forma muito competente, trazendo um jogo com uma jogabilidade legal e muito divertido. A história simples não compromete o jogo, pois não é o foco do jogo. Os cenários já conhecidos refeitos com gráficos muito bonitos e coloridos junto com a nova trilha sonora elevam o padrão do jogo. É um ótimo jogo e que me surpreendeu positivamente, mais um ótimo jogo que vale a pena ser lembrado em meio a tantos bons lançamentos de 2011.

Nota: 8,5

bitNEWS – Resident Evil 6 anunciado

Olá pessoal! Não resisiti e tive que vim fazer um post sobre o anúncio de Resident Evil 6 nessa semana. Próximo ao lançamento do polêmico Resident Evil – Operation Racoon City, a Capcom nos surpreeende e anuncia Resident Evil 6. Como se não bastasse anunciar o jogo, também divulgou um vídeo de mais de 3 minutos do jogo, que mostra tanto cutscenes quanto gameplay. O jogo já tem até data de lançamento e será lançado dia 20 de Novembro para Xbox360, Playstation 3 e PC.

Sempre fui fã da série e venho acompanhando os jogos desde o primeiro Resident Evil no PS1. É legal ver a evolução e as mudanças da série. O novo jogo se passa 10 anos depois do famoso acidente de Racoon City que tanto amamos. No vídeo podemos ver personagens antigos como Chris Redfield e Leon S. Kennedy e também novos personagens. Um dos novos personagens, uma menina loira, já se especula que seja a Ashley de Resident Evil 4, a filha do Presidente dos EUA. O presidente dos EUA é outro personagem que aparece no vídeo, que foi transformado em zumbi devido a um ataque de bioterrorismo.

O jogo se passa em duas linhas, uma com o Leon numa cidade enfrentando zumbis. Isso mesmo zumbis! O T-Virus e seus zumbis estão de volta! E outra que se passa com o Chris na China, que também está sofrendo com o bioterrorismo. No vídeo pode-se perceber um monstro grande que fica perseguindo o protagonista, no melhor estilo Nemesis.

Quanto a jogabilidade, foi inserido um sistema de cover que lembra muito o utilizado em Gears of War, também um movimento que você pula de costas para o chão e cai deitado atirando, além da presença de muitos ataques e finalizações corpo-a-corpo. Apenas por esse vídeo não se pode dizer se o modo coop estará presente, mais pelo que pudemos ver, o personagem sempre está sozinho.

Enfim, o vídeo me pegou desprevinido e realmente fiquei muito empolgado com o jogo. Diferente do que muita gente reclama, não tenho problemas com o jogo mais ação visto em Resident Evil 4 e 5, os dois jogos são muito bons. Acho que a série foi evoluindo e acabou criando uma nova identidade, o que é muito legal.